COLUNAS: Reflexões em Preto e Branco, por Andrade Neto

julho 7, 2013 | ANDRADE NETO

Subir para a série A não é brincadeira.

 

Começo esse texto com muita humildade, até porque o caminho das pedras de um acesso não é tão fácil quanto qualquer um pensa. Nos últimos tempos tento me perguntar o porque de que hoje, com uma estrutura o triplo da que o Ceará tinha em 2009, com um elenco com um custo 3x maior, ainda assim não temos condições de chegar e brigar por um acesso. Porém dando uma folheada em meu livro que escrevi em 2009 que conta a história do acesso, vi alguns fatores preponderantes para se conseguir uma vitória e vou tentar descrevê-los aqui o meu pensamento.

 

1 – SONHAR UM SONHO IMPOSSÍVEL

A busca incessante pelo impossível, pelo sonho é algo que comove o ser humano, e o acesso de 2009 era isso para todos (jogadores, diretoria e torcida). Ninguém poderia imaginar essa possibilidade, nem mesmo o mais otimista dos torcedores, porque? Ora um time que só brigava para não cair, como de um ano para outro poderia subir? Porém esse era o sonho de todos, e digo a quem dirige o Ceará, que sei muito bem que se perguntarem o porque da subida certamente vão falar em: Organização adminstrativa, pagamento de salários em dias dentre outras coisas mais… Porém tudo isso para mim é secundário, sem o FOCO no sonho não se chega a lugar nenhum.

Vou lembrar daquela diretoria de 2009: Danilo Ferreira, Paulo Veras, Fernandes, Haroldo Martins, Fred Guedes e Jurandir Jr., essas eram as pessoas que geriam o clube, e via no olho de cada um o sonho de subir, a perseverança de juntar notas fiscais, de conseguir um brinde para dar a um jogador, de conseguir um Rx para um atleta, isso fazia a diferença, não que quero que o clube hoje seja assim, mas essa dificuldade em conseguir as coisas, faziam das vitórias terem um suor saboroso, e a torcida, em total sincronia com essa diretoria, sabia das dificuldades, e que ali estavam pessoas que davam das 8hs da manhã até a meia noite pelo clube, e olhe lá se não pensassem em sonhos também. Cada um real que o torcedor dava ele tinha certeza que faria diferença na gota de suor do jogador em campo.

Hoje, um pouco mais distante do clube, por questões profissionais tive que me distanciar, não vejo algo parecido. Vejo um Ceará de cartolas, com diretores não menos torcedores que os outros, mas sim com menos afinidade com o torcedor e mais profissionais. Isso é bom? Talvez para se conseguir equilíbrio de contas, e o crescimento estrutural do clube sim, porém falta aquilo que é primordial para as vitórias, a sintonia com a torcida. Que o torcedor olhe para a diretoria e diga: – Eu faria exatamente isso, eu penso assim.

O torcedor acabou se afastando das decisões da diretoria, e também do foco da subida. Hoje as principais notícias são contratos e compras patrimôniais, contratar jogador passa a ser um mero detalhe. O “um realzim” do projeto Ceará 2000 não vejo mais com aquela diferença que víamos, pois sabíamos que aquilo faria a diferença em campo, nem que fosse por uma gota de suor a mais dos jogadores. Hoje esse mesmo torcedor vendo tantos contratos e compras assinadas, não se enxerga mais como parte atuante, e que conduz a vida do clube. Dessa forma ele passa a cobrar dos dirigentes como um cliente, e não como parte desse projeto, isso é o meu grande medo.

 

2 – LIDERANÇA DENTRO DE CAMPO

Não tenham dúvidas, que toda e qualquer estrutura só se faz com líderes, e no futebol esse é primordial. Peguei a Seleção Brasileira como exemplo e vi a entrevista de Fred ao Bem Amigos e vi algo que me chamou a atenção quando ele falou: – Estava preocupado que o gol não saía, aí o Felipão me chamou e disse, “vc não sai nem a pau do time”, aquilo me deu a tranquilidade para jogar. O Felipão não era bobo, sabia que ali era o seu líder, e ele precisava de tranquilidade para ter liderança. Não se tem campeões sem LÍDERES.

Uma liderança se constrói com exemplos: O líder de um time campeão, não manda os outros correrem, corre mais que todos juntos, e mesmo que não corra por questões físicas, todos verão que ele está correndo tudo que pode, e mais um pouco. O líder não é o que da o lindo passe, o líder é o que faz extrair o máximo de cada um: ENTENDAM ISSO É BÁSICO E CONCEITO DE LIDERANÇA.

Levando para o nosso Ceará, repito: Desde que Geraldo saiu desse time, não temos referência de liderança. Não temos jogadores que exerçam isso. Mota até tenta, mas não é a sua maior virtude, espero que nossa diretoria encontre, pois essa é uma peça fundamental para a subida, como um goleiro para um time de futebol.

 

3 – TRANSPIRAÇÃO > INSPIRAÇÃO

Outra coisa que percebi, na grande maioria dos times que sobem é uma coisa que poucos percebem, infelizmente. Um time que sobe tem obrigatoriamente que ter mais transpiração que inspiração. Essa é a cara da série B, aí me respondam de onde você tirará transpiração de jogadores como Eric, Rogerinho, Ricardinho, Lulinha, Magno Alves dentre outros. Esses em campo parece que o jogo é um racha, tanto faz está perdendo como ganhando. Não estou questionando a qualidade técnica de cada um, mas sim as suas condições de lutadores em campo. Vou em 2009, e pergunto a vocês: QUAL JOGADOR NAQUELE TIME ASSISTIA AO JOGO PASSIVAMENTE? Resposta fácil: Nenhum, todos ali brigavam e davam o máximo de si, independente da técnica de cada um.

____________________________________________________________________

Esses são três fatores importantes que procurei achar que acredito que seja a real diferença do porque hoje estamos nessa situação. Nada que não possa ser modificado, tenho certeza, que essa diretoria pode vir a ter o brilho nos olhos da anterior, nem que seja com raiva pelo que escrevo, tenho certeza também que um líder pode se procurar, o mercado está cheio, só que não será tentando trazer promessas, na tentativa de se revelar jogadores que traremos o tal líder, e os jogadores de transpiração também temos no elenco, assim como no mercado, esses que são fáceis de achar, e até mais barato que alguns nomes tarimbados como os ex-Rival (Rogerinho e Regis), ou outros que deixaram o futebol no tempo como Hamilton dentre outros.

A verdade é que subir não é fácil, e passa por uma estrada espinhenta, quem pensa que subir em 2009 nos deu o caminho das pedras está redondamente enganado, aliás não está, o caminho das pedras todos sabem, restam saber se querem passar pela dor e espinhos para conseguir o suor da vitória.

 

Andrade Neto

Tags: